quarta-feira, 19 de agosto de 2015

Pedra Branca e a Espiritualidade da Montanha IV

Artigo publicado no Jornal Cotidiano Pedra Branca


O xamã guarani enterrado na outra montanha
Espiritualidade da Montanha (IV)

Peço licença ao velho repórter morador da Cidade Universitária  Pedra Branca para pautar o que vivi na Montanha dos Ancestrais guarani, o conhecido Morro dos Cavalos. Foi na sexta-feira, 7 de agosto de 2015, bem cedinho. A pedagoga, diretora da Escola indígena Itaty, também moradora da Pedra Branca, com surpresa e muito pesar, me avisa que o seu Adão Karaí Tataendy Antunes falecera por volta das três da madrugada na aldeia.

Apesar da jovem idade de 58 anos, o professor Adão era considerado um sábio, um xamã. A última vez que pude vê-lo foi na UTI, já desenganado na luta contra um carcinoma que lhe havia tomado 70% da hipófise e deixado cego nos últimos dois anos após longa via-sacra para viabilizar a cirurgia.

Eram altas horas, mas a plantonista me permitiu rezar na UTI. Cantarolei várias vezes um mantra em guarani. A força espiritual e solidária de seu povo o trouxe de volta para viver seus últimos dias na aldeia - na casa que se tornou Centro de Encontros locais e nacionais na terra devolvida em agosto de 2014. Ali resolveu morar. Diante do perigo de possíveis agressões, ele dizia: “deixem-me viver aqui, porque tenho pouco a perder já que estou doente e cego; mas tenho muito a defender para o bem de nosso povo”.

O corpo do professor, autor do famoso Palavras do Xeramõi (velho sábio),  e muitas vezes cacique guarani, foi levado para a OPY (Casa de reza) a um quarto da distância pela picada que leva ao topo do Morro dos Ancestrais (Morro dos Cavalos). Dessa vez, desobedeci ao médico e subi sozinho a montanha na noite, degrau por degrau, e lá fiquei rezando até a madrugada.

Toda vigília e funeral sempre emociona, e tive a graça de ritualizar milhares. Mas confesso que em 40 anos de padre e 25 com esse povo, nunca vivenciei um rito tão longo e com sentidos tão profundos para cada detalhe. Semelhante a este, só nos funerais cristãos da Ilha do Sal, em Cabo Verde, na África.

Ao meu lado, o cantador jovem me explicou que não se cansavam ao tocar e cantar por tanto tempo porque “a gente sente Nhanderu (Deus) gostando de nos ouvir e não vemos o tempo passar!”. O rito final foi sábado pela manhã, concluído às 14h com o velho xamã acolhido no ventre da mãe terra na Montanha dos Ancestrais.

No Facebook de sua filha cacique escrevi: “Amigo, você deixa saudades boas em toda a Unisul e região. Memória de sábio multicultural. Verdadeiro mbyá! Volta pro colo de Nhanderu Tupã e Nhandercy! Você continua entre nós como palavra viva de serena firmeza, nascida do silêncio da fumaça do Petynguá. Dança com os xeramõi, os xondario e xondaria na Yvy Marae-y (Terra Sem Males).

Foi enfeitado por folhas de bananeiras, flores silvestres, onde será plantada uma Jussara, palmeira que garante a memória dos ancestrais como a que ele plantou nos jardins da Unisul Pedra Branca com nosso diretor em homenagem a outro amigo, grande antropólogo. Obrigado, Nhanderu (Deus), pela graça de conviver com Adão Karaí Tataendy Antunes.


LEGENDA: Professor Adão com o Diretor de Campus da Unisul, platando uma palmeira de nome Jussara.. 

Jaci Rocha Gonçalves é Padre, Doutor em Teologia, Filósofo, estudou comunicação no Vaticano e é professor da Unisul. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário