quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Lições do III UniDiversidade


Por Detrás da Janela:
um abraço aos povos da vuvuzela

por Jaci Rocha Gonçalves

Por Detrás da Janela poderia ser um cartão de natal e de votos de Ano realmente Novo e possível entre nós da Unisul e todos os povos. Nesta obra de arte juntam-se na mesma torcida brasileiros e angolanos, cantando o samba da vida pelos milagres da navegação virtual. Parece até fechar o ano da copa com um grande abraço aos povos da vuvuzela.

Por Detrás da Janela é um documentário em DVD com 10min21seg lançado neste Natal pelo Núcleo Unisul/Revitalizando Culturas no youtube sobre a vida universitária de Fernando Domingos Camuaso Segundo, acadêmico angolano da UNISUL, primeiro jornalista cego de Angola (África). O fio condutor  do audiovisual tece o percurso acadêmico de Camuaso desde que, num gesto de ousadia, se inscreveu no vestibular candidatando-se à Bolsa Unisul 40 Anos, em 2004.  

Decidido a enfrentar quaisquer obstáculos, sobretudo de ordem econômica de autossustentação, como esclarece Francisco um dos entrevistados do documentário, gerente administrativo da Unidade Pedra Branca. Num testemunhal emocionante Francisco lembra que o acadêmico cego soube combinar a um só tempo as posturas de  protagonista do processo e de lutador insistente em busca de apoios solidários.

A cinegrafia é de Paulo Henrique Abreu do Laboratório de TV do Curso de Comunicação Social Unisul PB e a autoria de roteiro, edição e produção é de Vitor Gnecco, colaborador Unisulense desde o ano 2000.  Gnecco, 58 anos de idade, cursa a 3ª fase de jornalismo da Unidade Pedra Branca e considera o documentário como seu primeiro trabalho com rigor acadêmico, tendo sido profissional de edição audiovisual ao longo de sua vida.

Por Detrás da Janela revela longa lista de apoio interno e externo à Unisul: Unisul Virtual - Laboratório EAD que viabilizou  a vídeo-conferência e Unisul presencial sob a liderança da Direção Unidade Pedra Branca e os setores como a GEPEX, Curso de Comunicação Social Jornalismo - Núcleo de Pesquisa Revitalizando Culturas, Laboratório de TV, Eventos e III UniDiversidade, PPA-Programa de Promoção à Acessibilidade, Pro-reitoria de Cultura e Artes/Novembro Cultural. Do lado de lá do Atlântico, o pessoal da EAD – Universidade Agostinho Neto e TV Pública de Angola. A sensação que se tem é de um mutirão à altura de um fato onde o efeito surpresa  não podia ficar estocado numa prateleira nas mais de duas horas de gravação.

Gnecco parece mesclar faro de velho editor com teoria jornalística etnográfica tão requerida no momento histórico atual. Sobretudo quando traz as imagens de outros estudantes cegos colegas de Fernando Camuaso e que tem utilizado as ferramentas de apoio  do Unisul/PPA (Programa de Promoção à Acessibilidade). O PPA informa que este ano oportunizou cidadania universitária a 200 pessoas com deficiências várias.

O ponto focal de todo o enredo é a solene defesa intercontinental que Fernando faz de  sua monografia em Jornalismo sobre o tema O sujeito cego no mercado de trabalho: implicações legais/sociais da sua inclusão e participação. Detalhes cinematográficos  na seleção de imagens/audio sincronizando velocidade manual e fluência verbal, ruídos de locomoção e contrastes claro/escuro como se se investisse do mundo da cegueira fazem da obra de Gnecco o registro dos esforços de uma época carente de novos olhares com mais sensibilidade pluralista.

O autor tenciona aperfeiçoar sua obra ao longo de seu tempo de academia. No momento, o documentário Por Detrás da Janela com todas as imperfeições pode ser símbolo  da  nova UNISUL na qual colaboradores e professores se sentem todos educadores para posturas multiculturais, pluralistas, justas e solidárias.

E, é claro que não poderia faltar no rigor acadêmico brasileiro-angolano, o que o filósofo Eboussi Boulaga afirma ser uma componente específica dos povos africanos: a inteligência do Eu danço, então, vivo! Por isso quem dá leveza à obra até o desfecho é a  dança sagrada que lá em Luanda chamam de Semba... e aqui os séculos mudaram para samba. Símbolo de Natal e Ano Novo porque é o troco da alegria e resistência às negações escravocratas de cidadania para todos, ontem como hoje.

Por Detrás de todas as Janelas, dá-lhe vuvuzela, dá-lhe vida!




2010: ano de curtir a África.
Prof. Jaci se veste com túnica africana de Cabo Verde para a bênção de 50 anos de amor dos amigos Nei e Marlene em Floripa (SC). Orientador de Fernando Camuaso, tem dissertação em Teologia e Culturas na Urbaniana em Roma sobre o Lugar Eclesial do Negro no Brasil.

Um comentário:

  1. Fernando Camuaso demonstrou para muitos que quando se tem força de vontade não há nada que possa servir de empecilho para conquistarmos nossos objetivos, persistência e coragem, são poucos que as tem, porém Camuaso fez transparecer estas virtudes no documentário. Parabéns pela matéria professor Jaci.

    ResponderExcluir