segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Índios Guarani querem estudar na Unisul

Indios Guarani PalhoçaÍndios Guarani querem estudar na Unisul

Danças, músicas e educação para indígenas movimentam a Pedra Branca.

Na véspera do aniversário de 46 anos da Unisul, no dia 25, onde foram encerradas as atividades do Unidiversidade, os índios Guarani fizeram apresentações de dança e canto, exposição e venda de artesanato, participaram de debates e apresentaram uma carta, no campus universitário da Grande Florianópolis – Pedra Branca, na última sexta-feira.

 Na ocasião, os índios entregaram uma carta para a universidade em que solicitam bolsas de estudo. Mais 10 anos é o nome da carta. Mais 10 anos de alinça e temos 10 alunos pedindo para entrar na universidade”, relata o professor Jaci Gonçalvez.

“É um agradecimento à Unisul por estes 10 anos que tem nos ajudado a fazer projetos e na educação. Também entregamos uma carta para ver se a gente consegue no ano que vem bolsas para os alunos que já concluíram o ensino médio”, diz o cacique Adão Karay.

Ana Regina Dutra, da Gerência de Ensino, Pesquisa e Extensão recebeu a carta dos índios. “Recebemos a carta e nos comprometemos a fazer uma leitura aprofundada e identificar as possibilidades que temos de acolher e trabalhar juntos com a comunidade indígena.

Tanto para podermos ajudá-los com o nosso conhecimento como também eles compartilharem os conhecimentos indígenas conosco”, afirma.

Fonte: Via Palhoça

7 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. O artigo "Índios Guarani querem estudar na Unisul" demosntra que a cultura indígena está cada vez mais próxima da nossa realidade.
    A carta elaborada pelos índios é um pedido de ajuda, entretanto, nós acadêmicos e profissionais, somos os mais benefiados, pois, com a bolsa dos indíos, teremos a oportunidade de conhecer e conviver mais a nossa cultura originária.
    AMANDA MENDES - PARTICIPANTE DO PROJETO REVITALIZANDO CULTURAS

    ResponderExcluir
  3. a terra ja éra deles antes mesmo da gente chegar aqui.devem assumir o seu lugar de direito .

    ResponderExcluir
  4. A comunidade de Morro dos Cavalos espera providências para a finalização da passarela e o início dos estudos de impacto ambiental dos dois túneis, para que sejam feitos os túneis e retirada a estrada da Terra Indígena.essa noticia foi divulgada em 01 -03-2010. e a´te hoje a comunidade de Cambirela espera sua passarela e o início do processo demarcatório de sua Terra Indígena para retirar as obras ilegais em sua área tradicionalmente ocupada (Art. 231 da CF).A que sabe que existem leis, desconhecem suas entrelinhas e paralelamente auto afirmam suas convicções, ou seja, avançam até o limite permissivo que lhe derem, mesmo que estejam praticando algo errado. Está havendo não só a conivência de quem deveria coibir, mas o consentimento de quem deveria repreender. Por várias vezes têm se observado o desprezo pela conduta ética e o avançar do desgoverno, de um direcionamento que conduza a sociedade e a faça repensar sobre que caminhos está construindo para si,e quem sabe procurar na cultura indígena a verdadeira essência da vida é como diz um velho proverbio indígena ``quando não existir mais peixe ,quando não existir mais água e quando cair a ultima arvore o ser humano vai compreender que dinheiro não se come ´´. por essas e outras é que o projeto da unisul e do prof jaci de revitalizar as culturas e os povos seus custumes ,tradições ,que na verdade são coisas simples mas de valor inestimavel e que não pode e naõ deve acabar.

    ResponderExcluir
  5. O artigo do Professor Jaci Gonçalves "Índios Guarani querem estudar na Unisul", veio a somar com o que pude observar na visita realizada na aldeia Itaty no Morro dos Cavalos, no dia 18 de junho. Na conversa realizada com os guarani, estes disseram da vontade de alcançar na aldeia uma sustentabilidade endógena, neste caso relacionado à saúde, onde tem-se o ideal de que de dentro da própria aldeia saia um médico, dentista, técnico de enfermagem,..., para que assim estes profissionais possam cuidar dos outros com mais propriedade, respeitando a cultura, do que os agentes de saúde que atualmente prestam serviços à aldeia.
    Esta parceria da UNISUL e do Programa Revitalizando Culturas com os índios guarani só vem a aproximar está população de seus objetivos, proporcionando um meio de comunicação e dando voz para que possam expor suas opiniões e vontades. Bela parceria! Parabéns!

    Att,
    Paula de Carvalho Ferreira Barrios.

    ResponderExcluir
  6. Podemos fazer duas leituras desse texto, antes e depois da visita a comunidade. Antes seria mais uma carta de pedido de bolsas na unisul. Depois é um apelo de indios que tão somente desejam estudar para contribuir com sua comunidade, não almejam o sucesso profissional e riquezas. Almejam, sim, que tenham a chance de estudar e contribuir de forma efetiva em sua comunidade, zelando e mantendo-a.A aliança deve continuar!
    ALLINY BURICH DA SILVA

    ResponderExcluir
  7. A procura pelo conhecimento nunca deve ser barrada!
    Devemos nos felicitar com o interesse dos índios de virem estudar conosco, pois só temos a ganhar compartilhando nossas culturas.
    A meu ver temos tanto a aprender uns com os outros que seria uma pena não continuarmos com essa nossa aliança.
    ERICK HORST - PARTICIPANTE DO PROJETO REVITALIZANDO CULTURAS

    ResponderExcluir